AS MAIS LIDAS DA SEMANA

AS MAIS LIDAS DA SEMANA
AS MAIS LIDAS DA SEMANA

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

ENVELHECER: CASTIGO, BENÇÃO OU APENAS UM EVENTO NATURAL?


Quando nós falamos sobre envelhecer, vem a nossa mente o declínio físico e, não raras vezes, até o mental. Tudo isso porque comparamos superficialmente o ser jovem com o ser maduro. Ser jovem é ser voluntarioso, destemido, é ariscar em busca de suas verdades, é progredir, é crescer física e intelectualmente. Ser maduro é saber conviver com as necessidades nefastas do físico graças à sabedoria armazenada através do tempo, é ser capaz de compreender o jovem e o novo, é ter maturidade.
Por que envelhecemos? Não é a decadência do corpo que se impõe como a busca da finitude, mas as mudanças do corpo que têm o significado da evolução. É bem conhecida a puberdade com crescimento de pelos e explosões hormonais como um preparo audacioso para a reprodução e manutenção da espécie. É o belo que surge daquele projeto recém-nascido que encheu de alegria os velhos pais, apesar do pouco encantamento ali presente na maioria das vezes.
A evolução física, tão decantada pelos poetas como em Seu corpo, Garota de Ipanema e tantas outras canções, acontece em mentes inexperientes, vaidosas, que pensam poder apalpar as nuvens. A evolução mental que descreve o viver e suas demandas, ensinando aos jovens o bom existir, reside em um corpo castigado pelas mudanças que proporcionaram a evolução dos saberes. Não existe mente sem corpo, nem corpo sem mente. O semblante se mostra como o espelho das interiorizações do ser.
As mudanças de nosso corpo procedem graças à evolução de nossos genes que, habitando os nossos cromossomos, transferem às novas gerações o aprendido hoje, que facilitará a continuidade da evolução da ciência. São as mudanças de comportamento que fazem surgir as trocas ou alternâncias intrínsecas do ser. Essas trocas ou alterações tornam novas as características da prole.
Envelhecer é a oportunidade de assistir ao desenvolvimento de suas semeaduras, é oportunizar outras vidas com o novo, cuja parte você construiu. Quem não envelhece não dá oportunidade a sua renovação com a inovação de seus genes. O cair com a velhice é uma opção de um viver mais ou menos intenso ou consequência de males preexistentes ou adquiridos, que, no entanto, deram-lhe uma forma especial de olhar a vida e produzir o diferente. E isso satisfez a sua vaidade.
Não é castigo, porque quem não finda, como o universo, envelhece como forma de renovação. Que castigo é esse que transita em mais oportunidades de alegrias e viveres diferentes? O seguir sempre igual trará sensações nunca vividas? Que tal escutar um alento que lhe orgulha de toda uma vida em prol desse reconhecimento atual? E assistir ao crescer de tantas coisas que você ajudou a construir? Castigo é o que se recebe por atitudes mal produzidas por você mesmo.
O adaptar-se a mudanças requer maturidade. A maturidade vem de exaustivas experiências vividas. E é a maturação do vivido e aprendido que nos faz descobrir os encantos do ocaso. Mas a luta será grande até lá. Assim, não é uma benção envelhecer, mas sim uma meta saber envelhecer. Dessa forma, armazenar todas as vivências para a velhice futura que, se não acontecer, nada foi perdido, constitui-se como uma boa diretriz para viver. A benção é o próprio nascer. É a força maior da manutenção da espécie que evolui.
Finalmente entregamos os pontos para o evento natural. Tudo na natureza, e porque não no universo, é dinâmico. Nada para, nada volta, sempre evolui para o novo, e esse novo assusta como todo desconhecido. Ninguém ama a decadência. Devemos nos preparar com uma vida saudável para despertar com uma velhice de qualidade. Por mais simples que seja sua vida, ela será sempre somente sua e daqueles que opinaram por lhe querer bem.
Oh! Envelhecer, eu te espero mais que antes e te desejo posto agora.

4 comentários:

  1. moçadofortedepauamarelo26 de novembro de 2010 10:52

    Deixemos de nos auto-sugestionar pelo físico...Nosso corpo parte da natureza:nasce(primavera),cresce e reproduz(não necessariamente)(verão)),envelhece(outono)e morre(inverno).Tristeza?Não há.A sábia natureza dará continuidade para que sucedam novas estações.A serenidade que é fruto da maturidade deve ser a roda costante dessa nossa aprendizagem eterna:saber viver proveitosamente e passar esse nosso legado para a posteridade que um dia também mais madura tornará todo bom conhecimento em acontecimentos inesquecíveis em prol da humanidade.Ah!Já queria ter aprendido tanto e estar com 99 anos,quem me dera...não vejo a hora.

    ResponderExcluir
  2. moça do forte de pau amarelo27 de novembro de 2010 14:32

    As cacofonias que me desculpem-já+queria=jaqueria,lugar onde vende-se jacas?-mas estética literária às vezes é fundamental.Melhor seria assim:Queria já ter aprendido tanto e chegar aos 100 anos,quem me dera...Há-há-há-há!...já vejo a hora.Há-há-há...!fui.

    ResponderExcluir
  3. Gênio,fui pesquisar mais "conversando"com pessoas que têm um estudo muito maior que o meu(nível fundamental)pois supletivo ensin.méd.aprende nada e pude perceber que há muita insensatez na velhice cultural e decidi:BOM É VIVER,NÃO IMPORTA A IDADE.Diga a sua esposa e seus filhos que uma moça perturbadinha de pau amarelo mandou dizer que eles são privilegiados por lhe terem.
    Gênio,é chato ser gênio?A pessoa sofre,é?,ou um gênio é feliz?Será que entendem tudo que um gênio fala ou ele sofre por não ser entendido?Gênio,vc já nasceu gênio?Porque vc é gênio,mesmo que diga que não. Eu não sou gênia mas tem uma coisa que já aprendi:A ÚNICA LIBERDADE QUE UM GÊNIO SE PERMITE NA VIDA É PENSAR E SE LHE NEGAM ISTO É TIRANIA,MATAM O GÊNIO.

    ResponderExcluir
  4. "A juventude é um disparate, a idade adulta uma batalha, a velhice uma saudade." (Benjamin Disraeli)

    ResponderExcluir