FELIZ NATAL

******** O CÉREBRO NÃO ENVELHECE *******

E naquele corpo já cansado pelo tempo ainda reside aquele ser

Pelo qual tanta gente se apaixonou.

Atrás daqueles olhos já quebrados pelas visões estonteantes que as décadas os fizeram ver,

Ainda existe aquela mente brilhante e apaixonada como aos dezoitos anos!

Ao lado das orelhas já cabeludas de tanto escutar mensagens de todas as falas

Ainda existe um cérebro cheio de ideias que poderão mudar o rumo do Planeta!

Além do céu daquela boca que já contou tantas histórias e tantos beijos provou,

Ainda existe uma mente cheia de esperanças, vitórias e conquistas!

No final daquelas narinas que tantos perfumes já sentiu e que tantos cheiros doou,

Ainda existe um cérebro ansioso pelo progresso e modernidade do presente!

Além daquele corpo que tanto vibrou, pulou e encantou no passado,

Ainda existe uma mente jovem cheia de esperanças e amor

Para dar a qualquer um mais ou menos do que tu!

quarta-feira, 2 de setembro de 2009

AS ONDAS CEREBRAIS

O ser humano tem poderes incalculáveis através das radiações de ondas cerebrais, ainda hoje pouco conhecidas pela ciência.
A telepatia que permite a comunicação entre pessoas que estão muito longe umas das outras, a movimentação de pequenos objetos em laboratório – utilizando-se a energia das ondas cerebrais – são exemplos bem claros desse poder, pouco estudado, dos homens. A grande diferença entre o campo dessas ondas e aqueles já estudados – os gravitacionais, elétricos e eletromagnéticos – é que o campo das ondas cerebrais não depende da distância, ou seja, sua intensidade é sempre a mesma, perto ou longe.

Realmente, desconhecemos de forma quase absoluta o poder das radiações de nossa mente e nos fixamos nas pesquisas apenas dos fatos ponderáveis, isto é, aqueles que podem ser medidos ou com os quais, materialmente, entramos em contato, por meio dos conhecimentos objetivos e palpáveis que temos através da ciência e de experimentos empíricos. Talvez tão falsos quanto aqueles que só repousam em nossa imaginação. É necessário aprofundar mais nos estudos das forças internas que comandam o homem. Estas forças que pouco aparecem, talvez, deem-nos o norte de que necessitamos para utilizar fenômenos semelhantes àqueles subjetivos do homem, ou seja, que tenham a mesma natureza ou princípios que possam ser utilizados em novos eventos, como as viagens astrais.
Sabe-se da existência de raios mortais que permeiam o universo entre os objetos astrais, tais como planetas, estrelas, entre outros, denominados de CGR, raios cósmicos galácticos. Estes raios não são detidos por nenhuma blindagem e destroem o ser humano, por isso tornam-se difíceis as viagens pelo universo. O campo desses raios talvez seja semelhante àquele irradiado pela mente humana. Diz-se que as transmissões telepáticas não podem ser blindadas, pois já aconteceram entre duas pessoas: uma no continente e a outra dentro de um submarino “do outro lado do mundo” e submerso. Dessa forma, existe então uma semelhança enorme entre esses raios, sendo certamente um mais forte e outro mais fraco. As correntes elétricas que comandam nossos movimentos também são infinitamente menores que aquelas dos raios nos dias de tempestades.
Estas informações, aqui postas, já são há muito comentadas, simplesmente estamos associando os conhecimentos e chegando a conclusões naturais, partindo dessas informações. Possivelmente, seria muito mais fácil manter os mitos das bolas de cristal, e dos búzios, do que buscar a justificativa desses poderes por meio de estudos científicos. Lembramos que o homem é muito vaidoso em relação a seus conhecimentos. Ele não quer dar a mão à palmatória pela sua incapacidade de justificar certos acontecimentos naturais e prefere manter os mitos que pertencem ao inimaginável.
Não devemos nos amedrontar com a longa estrada que se terá de percorrer para alcançar as bases científicas que permeiam essa característica pertencente também ao homem. O conhecer dos poderes do ser humano será muito mais útil à humanidade, pois sua manipulação levará o homem à construção sobre si mesmo e em consequência sobre seus descendentes. A tecnologia que chega para dar conforto e minorar as angústias físicas e mentais influencia apenas de forma indireta. Quando conhecemos a essência ou a doutrina “das coisas”, somos capazes de alcançar a plenitude das respostas aos nossos quereres. Vamos estudar mais!
Dessa forma, é possível que se venha trazer luz a novas descobertas, que possam redefinir uma série de princípios e, finalmente, levar-nos a outras verdades que nos encaminharão, através do novo, e nos farão chegar aos objetivos tão almejados hoje.

4 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. PARTE 1
    Muito interessante. Isso diz que nossos pensamentos de fato interagem com o mundo físico, mas sou um pouco cético nesse sentido: "(...) a movimentação de pequenos objetos em laboratório – utilizando-se a energia das ondas cerebrais (...)". Acho que me prendo bastante aos casos "empíricos", como foi citado, talvez pela minha limitação em certos conhecimentos.
    De qualquer forma, essa postagem só fortalece meu pensamento ou ideia em que o mundo está interligado por uma energia, que eu não sei definir muito bem o que é.
    Tudo isso, correlaciona a livros muito interessantes que eu li. Todos dizem algo que realmente existe, e que muitas pessoas já possam ter ouvido falar; inclusive a meditação deve estar relacionada a isso.
    A um tempo diria que o fato de eu ter lido essa postagem "AS ONDAS CEREBRAIS" foi mero acaso. Mas hoje percebo que não foi. Até porque o vasto recebimento de informações que estou tendo sobre assuntos do tipo, é bem recente. Acho legal estar tendo conhecimento disso - no qual eu me familiarizo bastante - com catorze anos, vendo que os mais familiarizados são adultos.

    Aqui, acho interessante expor minha ideia sobre o Destino. Tive como BASE principal o livro: A Profecia Celestina, de James Redfield.


    O Destino
    Um dicionário define a palavra destino da seguinte maneira: "destino sm 1 Sucessão de fatos, supostamente fatais. 2 Fatalidade. 3 Sorte, sina. 4 Vida." Ou seja, define o destino como algo irrevogável que deve acontecer em nossas vidas.
    Para mim isso é eufemismo de morte, por isso dou um significado conotativo que tenha mais graça para esta palavra.
    Minha ideia é que o destino não é essa coisa propriamente dita, mas sim, a correlação de coincidências e livre-arbítrio.
    Apesar de certas dúvidas e não ter um conceito absolutamente formado, penso na existência de uma energia que interliga, além das pessoas, animais e plantas. Talvez até um objeto, que é morto.
    É justamente essa energia que dá vazão às coincidências em função aos nosssos pensamentos, que podem interagir com o mundo físico.
    Dentro disso, cabe a nós procurarmos o objetivo central de nossas vidas. No ponto de vista espírita, acho que seria descobrir a nossa missão, mas não penso exatamente assim. Até penso em evolução "espiritual". Sendo verdade ou não, procurarmos esse tal objetivo, sempre nos levará em algum lugar e podemos fazer isso mesmo sem saber que fazemos.
    Voltando à coisa da energia, isto é relacionado às coincidências. Como eu disse, nossos pensamentos podem interagir com o mundo físico, isso porque nossos pensamentos transmitem energia - "e agora penso nas ondas cerebrais" -, e é essa energia que provoca as coincidências, que devem te levar a algo. Também cabe à você perceber essas coincidências e optar em segui-las. Você tem livre-arbítrio. É isso que difere a definição de destino do dicionário.
    Uma coisa que eu não citei é que o destino pode fluir de outras maneiras, não apenas por estar procurando algo ou querendo cumprir algum objetivo.
    Para mim é fato de que não estamos "sozinhos" nesse mundo, e como a energia está interligada com a vida, nós devemos sempre desconfiar das circunstâncias e si perguntar por que algo aconteceu, por exemplo. Além das coincidências, a própria energia pode querer nos chamar a atenção de alguma forma.
    Acompanhe este raciocínio: "Por algum motivo voçê acaba de brigar com a(o) namorada(o) e resolve ir se alcoolizar num bar. Depois de um tempo, em estado ébrio, você resolve pegar seu carro e voltar para casa; no percurso você sofre um grave acidente e morre." Isso é destino ou o acaso?

    ResponderExcluir
  4. PARTE 2
    Para responder, você precisa saber o porquê de quando brigou com a(o) namorada(o), e isso levaria à outros assuntos relacionados a competição de energia¹, drama de controle² e ética interpessoal³.
    Para não mudar o foco do assunto, vamos observar o destino. No acidente citado, a pessoa deveria estar atenta à energia e desconfiar das circunstâncias. A "energia" deveria ter dado um aviso, e a pessoa deveria perceber. Deve se ter sensibilidade, percepção ou extinto, além de plenitude na vida.
    Nisso, a energia poderia ser interpretada da seguinte forma: "eu te avisei, mas você não quis me escutar..."
    Como já foi dito, nós temos livre-arbítrio; penso que devemos estar a procura desse entendimento. É algo do tipo evolução e ainda quero concretizar esse pensamento - lembrando que não tenho um conceito absolutamente concreto; tenho dúvidas -.
    Sintetizando, fica dificil chamar isto de destino, já que estou mudando o significado da coisa. Mas se isso não for destino, o mesmo pode muito bem não existir. Quem sabe se não é uma mera ideia pensada por alguém?? Porque eu não sei.

    competição de energia¹; drama de controle²; ética interpessoal³ :consta no livro A Profecia Celestina.

    Pra finalizar essa postagem, lanço uma frase na qual eu admiro bastante:

    “Viver no mundo sem ter a consciência do significado desse mesmo mundo é como deambular por uma enorme biblioteca sem tocar nos livros”.
    .................................................
    -Que cada vez mais, nós busquemos mais conhecimento e em troca recebemos mais ainda. ;)

    ResponderExcluir